Interferência de isoenzimas macromoleculares na dosagem de CK-MB

Há cerca de vinte anos, a dosagem da isoenzima MB da Creatinina Quinase vem sendo utilizada como um dos métodos para confirmação ou exclusão do infarto agudo do miocárdio. O kit de CK-MB UV K069 da Bioclin apresenta alta eficácia no auxílio deste diagnóstico.

O método de dosagem desta enzima envolve a medida de sua atividade na presença de um anticorpo monoclonal antifração M do dímero, que inibe tanto a isoenzima MM como a subunidade M da CK-MB. Em indivíduos normais a atividade isoenzimática detectada no soro é de aproximadamente 96 % para CK-MM e 4 % para CK-MB, sendo o dímero BB encontrado principalmente no cérebro e ausente no sangue periférico.

Considerando a inexistência do dímero BB no sangue periférico, a atividade residual é dosada pela subunidade B acoplada à subfração M neutralizada.

Sabe-se atualmente, que, em alguns casos, a dosagem da CK-MB pode ser superestimada devido à presença de isoenzimas macromoleculares em concentrações significativas no soro. Duas são as isoenzimas consideradas causas de falsos positivo para CK-MB: a macro CK tipo 1 e tipo 2. A primeira é um complexo de CK-BB ou CK-MM ligado a IgG ou IgA. A macro CK tipo 2, por sua vez, é um complexo oligomérico de origem mitocondrial presente em lesões teciduais. Estudos recentes têm associado a presença destas macromoléculas a neoplasias malignas, entre elas o carcinoma de próstata (1,2,3,4).

A detecção destas macromoléculas no soro de alguns pacientes, anteriormente vista como interferente indesejável no método de dosagem de CK-MB tem sido, agora, considerada importante para o direcionamento de um estudo mais detalhado do mesmo.

Além disto, a detecção de macromoléculas durante a observação de valores de CK-MB superiores aos de CK total (CK-NAC) pode ser facilmente confirmada e não impede a dosagem real de CK-MB. O aquecimento do soro é capaz de inativar a forma comum de CK-MB, porém não é suficiente para inativação da macromolécula. Assim, um cálculo simples de subtração dos valores encontrados para o CK-MB inicial e CK-MB após o aquecimento do soro permite concluir o valor real de CK-MB. Deve-se suspeitar da presença das isoenzimas macromoleculares quando a medida da atividade de CK-MB exceder em 20% a atividade de CK- NAC (total).

Procedimento Técnico para dosagens de amostras de CK-MB maior que CK-NAC:

" Realizar a dosagem de CK- NAC Test Cinético UV K010 (total) e CK-MB UV K069 Bioclin antes de aquecer o soro.
" Aquecer o soro a 45 °C por 20 minutos.
" Dosar o CK-MB UV K069 Bioclin novamente.

Valor de CK-MB (U/L) = CK-MB inicial - CK-MB*

CK-MB* = valor encontrado após o aquecimento do soro


Bibliografia:

1- Yuu H, Ishizawa S, Takagi Y, Gomi K, Senju O, Ishii T. Clin. Chem. 1980; 26: 1816-20;
2- Pereira MB, Korkes H, Schubsky V et al. Rev. Bras. Medic. 1982; 49: 648-50;
3- Dickey W, Carson CA, Andrews WJ, Crowe PF. Br. J. Clin. Pathol. 1992: 149-50;
4- Camarozano ACA, Henriques LMG. Arq. Bras. Card. 1996; 66 (3): 143-147.

Entre em contato conosco e conheça o kit CK MB-UV - K069.
 
 
   

Qualidade é a marca da Bioclin

Mapa Site Webmaster